Cases - Torres de resfriamento de vinhaça Tecniplas

Torres de resfriamento de vinhaça da Tecniplas melhoram a competitividade das usinas. Empresa já forneceu mais de 600 unidades para usinas de todo país.

Torres de resfriamento de vinhaça Tecniplas

Torres de resfriamento de vinhaça Tecniplas

A Tecniplas era uma das expositoras confirmadas para a Fenasucro, principal feira do setor sucroalcooleiro. O evento, então agendado para este mês, foi cancelado por conta da pandemia. Mas nem todas as notícias que vêm das lavouras de cana são negativas. Com a compra de algumas usinas por grandes grupos internacionais e a modernização de players brasileiros, está cada vez mais acirrada a busca pela competitividade. Isso significa campo fértil para as torres de resfriamento de vinhaça que a Tecniplas fabrica em Cabreúva, no interior de São Paulo


“Para reduzir os custos e, principalmente, aumentar a produção, as usinas precisam investir em todas as etapas, e o resfriamento da vinhaça é uma fase importante do processo”, afirma Luís Gustavo Rossi, diretor da Tecniplas. Para ser aproveitada como fertilizante, a vinhaça deve ter a sua temperatura reduzida, em média, de 90 ºC para 55 ºC, operação efetuada por torres de resfriamento de compósitos em PRFV (Plástico Reforçado com Fibras de Vidro). Com um histórico de mais de 600 torres fornecidas nos últimos 25 anos, a Tecniplas também enxerga boas oportunidades na substituição de equipamentos da concorrência que, após poucas safras, já não têm mais condições de operar. “Mesmo em se tratando de uma aplicação bastante desafiadora, que combina corrosão e alta temperatura, nossas torres suportam muitas safras consecutivas”. Rossi destaca que todas as torres de resfriamento de vinhaça da Tecniplas são fabricadas de acordo com a norma de segurança NR-12. “É uma exigência cada vez mais frequente das usinas”. A empresa produz atualmente três modelos – TRV 3000, TRV 3500 e TRV 4000 –, e o que os difere é basicamente o volume resfriado por hora.



“Também fornecemos para o mercado sucroalcooleiro tubos de PRFV. Diferente dos tubos de PRFV com liner de PVC, que podem colapsar e contaminar o solo e o lençol freático com vinhaça quando a temperatura passa de 60 ºC, as nossas tubulações inteiramente de PRFV atendem a até 100 ºC”, detalha o diretor da Tecniplas, lembrando que a empresa ainda abastece as usinas com tanques de plástico reforçado com fibras de vidro para a armazenagem de água e produtos químicos.